NADA

 

Esse mundo é grande, mas continua sendo pequeno demais. Talvez não deveria ser assim, mas as pessoas o tornam um lugar limitado, despreparado, cheio de regras e pontos finais. Esse mundo é cruel demais, cheio de desigualdade e miséria e fome e gente nas ruas, gente sem lar, gente perdendo a mente pelo caminho e gente fechando os olhos para o que tem e focando no que deixa de ter (tão pouco). Esse mundo é rápido demais, nossa existência é um sopro, efêmeros, e tudo aqui é construído pra desabar; quem consegue deixa uma marca mais permanente, uma cicatriz mais profunda, mas nunca eterna. Esse mundo é cheio de maldade e egoísmo, cheio de incompreensão e preconceito, esse mundo carece amor, empatia e entendimento. Respeito. Esse mundo é pequeno demais pra imensidão de algumas pessoas que transbordam e não nasceram pra estar aqui. Esse mundo é morno e não suporta a existência ardente de quem nasceu pra bater de frente, pra falar verdades que as pessoas não pedem pra escutar, mas que precisam ser faladas. O final disso tudo é mais complexo que paraíso e inferno e as pessoas brincam com a morte com descaso, não há diálogo, não há escapatória para o sofrimento que nos é imposto, ninguém pediu pra nascer. Afinal, isso tudo não é apenas uma piada cósmica? Sou uma partícula indiferente num universo de possibilidades. Sou nada num mundo em que todos acham que são tudo.