EM UMA CASCA DE NOZ

A arte é incapaz de imitar a vida
porque a linguagem é falha
e nem a música nem a matemática conseguem explicar o que eu sinto
ao enxergar aquele rosto no meio da multidão,
ao sustentar aquele olhar durante o café da manhã,
ou ao pisar em um lugar completamente desconhecido e me sentir em casa.
Há alguma coisa entre o instintivo e o calculado
entre a fé e a ciência
que ninguém sabe ainda como traduzir,
embora os poetas passem madrugadas tentando
e os profetas os observem, calados.
Mesmo que os físicos já tenham descoberto o caminho para a lua
ainda não se sabe muito sobre os buracos negros
e dentro de mim circulam as mesmas partículas que circulam por lá
há anos luz de distância.
Eu sei que sou feita dos mesmos átomos que galáxias desconhecidas
e a pessoa que senta ao meu lado no ônibus
é feita dos mesmos átomos que eu,
então como podemos nos sentir tão
inevitavelmente sozinhos e pequenos?
Entre todos os mundos
entre todos os tempos
e entre todos os universos paralelos
nos encontramos neste.
Agora.
E embora a minha arte seja incapaz de dizer
sobre toda a verdade que há em mim nesse momento
de alguma forma inexplicável,
consigo sentir meu coração sincronizado com os de quem me escuta
e peço que me escutem
peço que escutem meus batimentos cardíacos
e toda a gratidão contida neles.
Porque mesmo não sendo nada,
hoje
sinto como se carregasse o universo inteiro
dentro de mim.

fireeee