CONFISSÃO

Sempre li textos e ouvi pessoas que falavam que o amor não é uma escolha e que a gente não decide por quem a gente se atrai ou por quem vamos nos apaixonar. Cada um nasce de um jeito e é daquele jeito que somos e ponto final, sem discussão: a gente aprende a viver com aquilo, aceitamos nossa própria identidade e caso necessário lutamos por nossos direitos e pelo que somos.

Há alguns anos, comecei a perceber. Eu era diferente, de alguma forma, só não sabia como. Não sabia nem mesmo o que tinha de errado, impossível saber então como solucionar o suposto problema. Deixei pra lá, ignorei por um tempo, mas mais tarde descobri que é impossível fugir do que a gente é.

O que eu sentia retornou como um velho amigo que resolveu deixar claro que ainda existia e que queria manter contato. Dessa vez não teve jeito, eu era vítima de mim mesma e não tive como inventar desculpas para adiar ainda mais. Minha consciência bateu na porta avisando que o que eu achava que era visita e novidade era apenas uma coisa velha, muito minha, que estava aqui dentro desde o momento que me materializei como ser vivo. Sem escolha, percebi que eu finalmente havia vindo à tona como realmente sou.

Aceitei calada, o que mais eu poderia fazer? Se nasci assim, não posso mudar. E não vou. Não pretendo. Me assumi, me rendi e me acostumei com a ideia; fiquei satisfeita e feliz depois de algum tempo digerindo a informação. E foi a partir desse ponto que comecei a me apaixonar.

O sentimento não veio de uma vez só, sem avisar: foi chegando aos poucos, cuidadosamente, quase carinhoso. Era como se aquilo dialogasse comigo e avisasse toda noite que estava chegando perto, que logo ia me preencher por inteiro e aí a guerra estava perdida. Nem hesitei, a sensação era tão boa que deixei entrar, me invadir, me possuir. Me entreguei completamente, sem medo de ser quem sou, assumindo toda a responsabilidade pelo que viria a seguir.

Não quero ser esnobe, mas era uma paixão sensacional. Tão forte que nem demorou muito pra se estabelecer e passar a chamar amor. Amor mesmo, de verdade, com A maiúsculo e tudo: intenso. Confiante. Profundo e insano. Inexplicável, sem tradução. Uma coisa de outro mundo. Minha família demorou um pouco para aceitar por completo, mas hoje em dia incentiva de todas as maneiras. Aceitam que ela já faz parte de mim. Que somos uma pessoa só. Que não há como lutar contra isso, não há mais volta.

Não posso ser clichê e falar que sou a mulher mais feliz do mundo e que temos um relacionamento perfeito. É algo conturbado e barulhento, mas incrivelmente grandioso. Eu a amo por inteiro. Sem exceções. Ela, a mulher da minha vida, a dona da minha alma e do meu coração: a poesia.

3 comentários sobre “CONFISSÃO

  1. Hummmmmmmm……..fiquei até o fim imaginando quem seria o felizardo          Maravilha !!!!

    Enviado do Yahoo Mail no Android

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *