ESPER(ANDO)

Eu te enxergo, eu te vejo. Toda essa sua confusão, essa personalidade de fogo efêmero que se rende ao vento para reacender logo depois. Eu percebo a tua cabeça revirada, todas as suas marés influenciadas por uma lua de mil fases. Você tem umas cem camadas e todas elas possuem cores diferentes.

maos-estendidas

Daqui de fora, consigo ver a sua bagunça, suas dúvidas sobre esse e outros mundos. Você toma decisões baseadas no que seu pensamento desordenado ordena em nome da dupla que somos sem me perguntar o que acho sobre: também tenho voz, mereço ser escutada, não? Não pense que me protege ao se afastar ou bloquear tudo que é, se permaneço é porque escolho estar aqui. Que mania estúpida de achar que sabe o que é melhor pra mim, que tem o direito de decidir o que me machuca e o que deixa de machucar. Te quero livre, vê se me liberta também. Até mesmo pra tomar as decisões que você, no fundo do seu instinto, desaprova.

Estou disposta a ir fundo, a conhecer seus demônios e seus medos, a ver a sua nudez crua sem me assustar com os efeitos colaterais. A minha vontade existe, mas a sua parte é necessária para que a gente saia da orla da praia e entre em alto mar. Tô te pedindo, meu bem, me deixa entrar. Me deixa ver a sua alma e suas dimensões, me deixa dançar nas suas incertezas, me deixa fazer parte da sua gaveta bagunçada. Tô na porta, tô te esperando. Vai me receber ou só falar pelo interfone?

2 comentários sobre “ESPER(ANDO)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *